12 de agosto de 2010

Perdão

Oi, você já deu uma passadinha na página de links?
volta e meia coloco um site novo lá e hoje coloquei um bem legal da Enciclopédia Católica das Paulinas.
Aproveitando o tema do evangelho de hoje (Mt:18,21-35; Mt:19,1), procurei a palavra perdão e olha que lindo estava escrito lá:



PERDÃO
Em geral, é a resposta mag­nâ­nima de quem esquece ofensas ou agra­­vos, no desejo sincero duma re­con­ci­liação que não deixe ressentimentos.

1. Perdão da parte de Deus:
Feridos pelo pecado original, frequentemente pe­camos, e, ofendemos a Deus, train­do o amor que lhe devemos, desobe­de­cen­do à sua vontade, expressa nos mandamentos da sua Lei, quer os três pri­meiros que se referem ao amor dele quer os outros sete que se referem ao amor do próximo, uma vez que ofender um irmão é ofender o Pai comum que está nos Céus.
Deus, infinitamente mi­se­ricordioso, quer perdoar todos os pe­cados, por gra­ves que sejam, desde que o pecador se arrependa e lhe peça, para o que lhe não falta com as graças atuais necessárias. Todo o *pecado, para além de ser “ofensa” que fere a ami­zade com Deus, é também “injúria” que fere os seus direitos. A ofensa está na linha da caridade; e a injúria, na da justiça, pelo que exi­ge sempre repa­ra­ção nesta vida ou na outra.
O perdão de todos os pecados do mundo foi radicalmente alcançado pelo sacrifício de Cris­to, no Calvário, ato su­premo de amor e de justiça. Para a sua concessão con­creta ao pecador arre­pen­dido, instituiu Jesus Cristo um especial sacramento de cura, o da *Penitência; mas deixou-nos ainda outros meios de alcançarmos o *perdão dos pecados.

2. Sacramento do Perdão ou da *Penitência:
Pressupõe, da parte do penitente, arre­pendimento sincero, acusação íntegra e cumprimento da sa­tis­fação (ou penitência) imposta pelo confessor; e da parte deste a *absol­vi­ção ou perdão dos pecados.

3. Perdoar a quem nos tenha ofendido:
Mesmo aos inimigos que não pedem perdão, é obrigação de caridade que Jesus Cristo, nos seus en­si­na­mentos e na oração do Pai-Nosso, pôs como condição do perdão de Deus para os nossos próprios pecados. Só assim se cumprem as pala­vras de ordem de Jesus: “Sede perfeitos, sede misericor­dio­sos, como o vosso Pai do Céu” (Mt 5,48; Lc 6,36) e “amai-vos uns aos ou­tros como Eu vos amei” (Jo 13,34).

(Cf. Cat. 1422ss; 1846ss; 2838-2844).

0 comente aqui: